Cookies on the PokerWorks Website

We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue without changing your settings, we'll assume that you are happy to receive all cookies on the PokerWorks website. However, if you would like to, you can change your cookie settings at any time.

Continue using cookies

Notícias | Pessoas no Poker

Você está contando a história certa? por Howard Lederer

Compartilhe
Quando você faz uma jogada, suas ações devem contar uma história cabível. Por exemplo, se você aumentar pré-flop e apostar em seguida quando aparecer um K no bordo, está tentando dizer aos seus adversários que acertou o flop e deve segurar AK ou KQ.

Em combates entre jogadores avançados, a disputa pode ser um pouco mais complexa a medida que a ação avança. Referente a isso, gostaria de comentar uma mão que joguei no programa de TV Poker After Dark, onde eu contei uma história coerente e encontrei um erro na história do meu adversário.


Eu estava jogando o Commentator's Week (Semana do Comentarista) do Poker After Dark. Possuía 14.000 fichas no blind 200/400, segurava 10 7 no botão e a ação veio a mim em fold. Subi a aposta para 1.200 a fim de roubar os blinds. Chad Brown desistiu no small blind, porém Gabe Kaplan pagou no big blind.


O flop trouxe A 8 2 e Gabe deu mesa. Apostei 1.300, seguindo a história que eu havia contado de um suposto A na minha aposta pré-flop, o que teria me dado o maior par e, portanto, eu deveria continuar apostando.


Gabe pagou, e a partir desse momento tive de supor que ele teria acertado alguma coisa no flop e talvez segurasse um 8.


O turn trouxe outro 2. Para minha surpresa, Gabe apostou 3.000. Nesse momento, fiquei muito confuso. Que história ele estaria me contando? Será que ele realmente segurava um 2? Isso me pareceu improvável, pois pensei que seria mais lógico dar mesa e aplicar-me um chcck-raise quando eu apostasse. Também seria estranho fazer essa jogada com um 8.


Assumi que existia uma grande possibilidade de um blefe dele para ganhar o pote. Ou poderia segurar ainda A com um kicker baixo. Nesse ponto, decidi que continuaria blefando. Isso deve manter a minha história consistente. E se eu estivesse segurando uma mão como AQ? Provavelmente pagaria a aposta de Gabe. E fui isso que fiz, sabendo que eu deveria apostar no river.


Outro A veio no river e Gabe deu check. Outra vez, decidi em manter a minha história. O que eu deveria fazer com um full house de A com 2? Deveria fazer uma aposta pequena, a fim de extrair valor de um suposto 8 ou de outro ‘par de mão'. Apostei 3.500, apenas um terço do pote e Gabe rapidamente desistiu da mão.


Quando o programa terminou, descobri que Gabe segurava Q J e simplesmente tentava ganhar o pote. Ele também estava blefando. Porém, se eu não tivesse apostado na última carta teria perdido para os dois pares com Q alta de Gabe.


Enquanto você joga, tenha em mente que seus adversários tentarão reconstruir as histórias que contam. Faça o seu melhor para que eles acreditem na sua hitória!