Cookies on the PokerWorks Website

We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue without changing your settings, we'll assume that you are happy to receive all cookies on the PokerWorks website. However, if you would like to, you can change your cookie settings at any time.

Continue using cookies

Notícias | BLOG

Novo Blog - Andrei "PorcoEspinho" Mosman - O que te afeta?

Compartilhe

Salve salve amigos e amantes do poker. Quando recebi o convite para ser blogueiro colaborador do Br.Pokerworks confesso que fiquei muito entusiasmado num primeiro momento, contudo nos momentos seguintes fui tomado pelo medo da responsabilidade de escrever para um dos sites mais responsáveis sobre poker no Brasil, ao lado de pessoas que eu respeito e admiro tanto pelo trabalho excelente na divulgação do poker quanto pela forma pra cima com que levam suas vidas. Enfim, muita responsabilidade pra um novato como eu.

Depois de refletir e re-refletir (sim, novas palavras surgirão e junções extraordinárias neste blog) começo a entender meu papel como blogueiro:  Documentar passo-a-passo as aspirações e transpirações, racional e emocionalmente, o desenvolvimento de um jogador de poker. Do estágio em que me encontro até, quem sabe, num futuro próximo (sonhar não custa nada), vir a me tornar um jogador profissional de poker.

Análises, estudos, discussões, ensaios, tilt, life tilt, derrotas, persistências e conquistas serão parte integrante deste espaço. Tenha estomago e aprecie com moderação.

Um abração,

PorcoEspinho

O que te afeta???

 

São quatro da matina, decolamos há 15 minutos de Teresina-PI com destino a Guarulhos e você pode estar se perguntando que tipo de retardado abre o notebook pra escrever um blogpost? Enfim, como todo pseudo-escritor (lê-se blogueiro), simplesmente não posso deixar pra depois quando tenho uma idéia (neste caso percepção).

Ao chegar na rodoviária de Teresina-PI, dirijo-me ao ponto de taxi, onde sou recebido pelo gentil senhor Juvenal que prontamente abre a porta traseira de seu impecável carro (não me lembro marca e modelo). "Aeroporto, por favor" e seguimos nós ao som de alguma rádio FM catrupe da madrugada, tocando músicas de uma pseudo MPB - pseudo porque o P deveria significar popular, mas a taquara rachada no vocal seguido de um leve desvio no sotaque que a cantora tentava com muito custo segurar deixava exposto o trabalho de uma cantora de barzinho gravada num estúdio de um amigo e tocada na rádio do tio.

Eis que em algum momento acontece o impensável: UM DESVIO. Sim, U-M D-E-S-V-I-O, e pra piorar um pouco mais, de DUAS QUADRAS. DUAS! (não sei o porquê, mas me lembrei de um antigo desenho do pateta). Como é que o pessoal resolve criar um absurdo desvio de duas quadras só para pintar um cruzamento?

Seu Juvenal, claro, indignado com tal desvio decidiu furar o bloqueio contornando apenas uma quadra e BAM, deu com a cara na porta. Gralhou um pouco, retornou e na rua seguinte veria que não era possível converter à esquerda, pois a rua possuía um canteiro central e teríamos que virar à direita.

Óbvio que uma pessoa como seu Juvenal não poderia deixar barato. A existência de um desvio certamente dava a ele a credencial para pegar a contra-mão, certo? ERRADO! BAM! CARA-NA-PORTA. Bem ali na esquina, quase na cara do gol, depois de cruzar 90% do trajeto que deveria andar na contramão para retomar o trajeto um marronzinho (amarelinho, vermelhinho, enfim, um guarda de trânsito) apita e pede para que seu Juvenal retorne.

Aos poucos vou percebendo, que mesmo sem reclamar ou gralhar em voz alta, o stress de seu Juvenal vai me contaminando, até que por fim, ao retomar o trajeto, num desabafo manual no estilo "puta que pariu", apesar de contido, percebo, que apesar de estar achando a situação hilária, mesmo sem motivos para estressar - eu estava dentro do programado e existia um gap para pequenos contratempos como este e já ter feito o trajeto por várias e várias vezes sabendo exatamente onde estava - o stress quase silencioso do seu Juvenal havia me contaminado. Eu, como todo cara esquentado, estava fervendo como se tudo isso tivesse acontecido diretamente comigo.

Pouco antes das duas preferenciais que seu Juvenal cruzou no melhor estilo roleta russa já havia começado a divagar sobre como situações como essa afetavam meu game. Como não são produtivas as sessões via skype onde fica todo mundo reclamando dos suckouts e das badruns. Enfim, como o stress alheio afeta facilmente nosso estado emocional.

Mas o contrário também se faz verdade. Até hoje brinco com Vitor "Teampro Brasil" dizendo que ele regula a minha sessão de fim de noite. Sempre que vamos pro áudio eu começo a ganhar. É impressionante. Certa vez, eu, ele e o Rafa "teambrasil" terminávamos uma sessão quando por fim, lá pras 6:00 da matina só restava eu no game com duas telas. E o Vitor perguntou "hey, como está a session?", e eu respondi "Se eu cravar essas duas fico even". Enfim, cravei as duas e fui dormir breakeven. Hoje paro pra pensar se a regulada na sessão não é mais pelo fato do Vitor ser um cara tranqüilo, falar baixo (pra não acordar a mulher) e não ser tão chorão quanto à maioria ou se ele é mesmo um maluco pé quente.

A título de experiência vou tentar ir menos para as conferências de áudio no skype, principalmente quando tiver muito chorão e ver se isso melhora meu foco no jogo e tentar não deixar meu emocional se levar pelas influências alheias (apesar de ter percebido hoje como eu sou para-raio de sensação ruim).

Acho que começo a entender o que me afeta. E você, o que te afeta?

[]s PorcoEspinho