Cookies on the PokerWorks Website

We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue without changing your settings, we'll assume that you are happy to receive all cookies on the PokerWorks website. However, if you would like to, you can change your cookie settings at any time.

Continue using cookies

Notícias | WSOP

WSOP 2009 – Mão Do Dia No Evento De 40K

Compartilhe
Uma mão interessante aconteceu no início do evento de $40K na World Series of Poker 2009. Os jogadores começaram o torneio com 120.000 em fichas e com os blinds em 200/400 – são 300 big blinds iniciais. Com níveis de uma hora, era poker deep stack da melhor qualidade e eles teriam muito espaço para jogar.

Logo no início, um pote foi disputado entre Per Ummer, David Chiu e o campeão do Main Event de 1993 Jim Betchel. Eu não pude ver a ação pré-flop, mas consegui chegar à mesa no flop que mostrava 9-2-2 de naipes diferentes. Betchel deu check e Chiu apostou 6.000. Ummer deu fold e Betchel deu call. O turn foi um 6 e Chiu apostou 9.200. Betchel, surpreendentemente, moveu all-in de 110.000 fichas e foi pago rapidamente por Chiu que tinha acertado um full house no flop com um par de noves. Betchel tinha par de Ases e quando não acertou um de seus dois outs no river ele estava eliminado depois de 30 minutos de torneio.

Vamos analisar esta mão da perspectiva de Betchel, já que não há nada de errado com a maneira com que Chiu jogou a mão. No flop, Betchel pensava que seu par de Ases era a melhor mão ainda, e decidiu que tentaria manter os dois oponentes na mão. Esta é uma opção aceitável, mas quando Chiu apostou, ele deveria ter avaliado o melhor curso de ação aqui. Ele poderia tomar uma destas três opções:

• Fold – Obviamente não é uma opção aqui
• Call – a opção que Betchel escolheu. Não é uma opção terrível, mas quando você toma esta decisão você deve ter um plano sobre como você jogará o turn. O problema, no entanto, é que ao dar apenas call, você não tem nenhuma informação sobre a mão do oponente e você está se preparando para um grande pote.
• Raise – Em minha opinião a jogada mais indicada. Ao aumentar, digamos para 20.000, Betchel teria uma idéia melhor de onde estava na mão. Se Chiu desse fold, ele ganharia o pote ali mesmo. Se Chiu desse call, ele poderia usar o turn para se situar na mão e tentar saber se o seu par de Ases era ou não a melhor mão.

Assim que o turn aparece, Betchel tem duas opções inicialmente. Ele pode liderar ou pode dar check com a intenção de aumentar a aposta de Chiu. Você até poderia dar check/call aqui, mas isso seria se aventurar em águas perigosas. Quando Chiu faz a aposta mínimista de 9.200 fichas, Betchel novamente tem três opções:

• Fold – novamente não é o curso correto de ação.
• Call – acreditem ou não, embora eu não goste do call no flop, eu acho o call bom aqui. Mantém o pote pequeno para o river e você pode chegar ao showdown sem arriscar todas as suas fichas. Não há nada de errado em ganhar (ou perder) um pote pequeno com par de Ases. Um call aqui lideraria provavelmente para uma aposta de $20K no river, o que resultaria em uma perda de aproximadamente 35K. Isso deixaria Betchel com 85K, mais de 200 big blinds – muito jogo pela frente.
• Raise – esta foi a opção de Betchel, e embora eu ache que essa seria minha decisão também, mover all-in é uma decisão muito ruim.

Por quê?

Porque primeiro, você só será pago por alguma mão que está ganhando de você e segundo, você permite que mão piores do que a sua dêem fold. O all-in permite que os jogadores joguem perfeitamente. Eles dão call quando têm a melhor mão e fold quando não têm. A melhor aposta aqui seria um raise para 25-30K para ver a reação de Chiu. Provavelmente Chiu moveria all-in e Betchel teria que enfrentar uma decisão difícil, mas pelo menos ainda teria opções.

Moral desta mão? Não é um problema jogar potes pequenos com um par de Ases pós-flop no início de um torneio deep stack. Não tenha medo de abordar suas mãos com mais cuidado quando você não sabe ao certo a força da mão de seu oponente.