Cookies on the PokerWorks Website

We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue without changing your settings, we'll assume that you are happy to receive all cookies on the PokerWorks website. However, if you would like to, you can change your cookie settings at any time.

Continue using cookies

Estratégia | Estratégia Torneios

Introdução Ao Conceito Gap

Imprimir
Compartilhe
Não São Somente As Cartas

Um importante conceito no poker, especialmente em torneios de poker onde os jogadores não podem apenas recarregar suas fichas, é conhecido como O Conceito Gap. Este conceito foi exposto no excelente livro de Davis Sklansky Tournament Poker For Advanced Players. Sklansky define o gap como “a diferença entre uma mão que você precisa para pagar um raise e a mão que você precisa para abrir o pote”. Ele ainda explica que “quanto menor o gap mais tight seu oponente joga. Se seu oponente for loose, ele não deve nem ter um gap”.

“Em torneios, este gap é extremamente grande. Em outras palavras, em um torneio é muito freqüente abrir raises com mãos bem inferiores àquelas com que você pagaria um raise”. Ele explica que o conceito principal por trás do conceito gap é “você enfrenta confrontos com aqueles que já demonstraram força e leva vantagem daqueles que estão tentando preservar suas fichas”. Sklansky ainda diz que há uma importante exceção ao Conceito Gap que é se os jogadores após você tiverem stacks muito pequenos ou muito grandes, abrir um pouco mais seu range para raises pode ser imprudente.

Ao longo das próximas seções, vamos falar sobre os princípios por trás do Conceito Gap, como aplicá-lo e as vantagens, desvantagens e fraquezas do Conceito. Vamos ter um exercício que o forçará a aplicar o conceito e espero que você aprenda quando usá-lo, quando não usá-lo e talvez o mais importante, como se aproveitar dos jogadores que usam demasiadamente o conceito.

Então o que Sklansky quer dizer exatamente quando ele explica sobre o Conceito Gap? Vamos olhar sob a perspectiva de um principiante. Quando nós olhamos para nossas cartas, nossas ações são determinadas somente pela força de nossa mão. Nós não consideramos os oponentes, suas ações ou a probabilidade de ação dos jogadores a seguir. Se nós temos um par de Dez, esta é uma boa mão e nós iremos jogá-la. É tudo o que sabemos.

O Conceito Gap é uma elevação da estratégia básica que leva em consideração dois cenários distintos, dependendo se você é ou não o primeiro a agir. Se você não é o primeiro a agir, o conceito o pergunta: houve um raise antes da sua vez? Se houve ele o pede para classificar o jogador que deu o raise quanto ao tipo de jogador que ele é. Ele é loose, tight ou algo entre estes dois? Se você é o primeiro a agir, você precisa ver o tamanho dos stacks dos jogadores restantes na mão para determinar se pode aplicar o conceito.

Se o pote chega a você com um raise, entender as tendências do jogador que aumentou e de qual posição ele aumentou é importante. Se ele é um jogador muito loose, agressivo, o gap é menor ou não existe, e isso te diz com quais mãos você pode pagar ou aumentar. A razão para isso é simples... Eles têm uma gama muito grande de mãos com as quais eles aumentariam, portanto a gama de mãos com as quais você pode contra-atacar também é grande. Uma mão como K-J pode ser jogável contra um jogador como esse. É completamente diferente, se um jogador tight aumentar. Este K-J que era jogável contra o jogador maníaco não é mais uma boa mão... O gap diminuiu e é muito pequeno agora. De fato, contra certos jogadores que são muito tights e apenas aumentam com as mãos Premium como Ases, Reis e Damas em posição inicial você pode ser tão radical em restringir suas mãos para apenas estas mãos.

Quando a maioria das pessoas pensa sobre o Conceito Gap, elas não pensam em potes com raise e com que mãos eles devem dar call ou re-raise. Eles pensam em aumentar como primeiros a agir com quaisquer duas cartas. A coisa mais importante a saber quando aplicar o conceito é saber a probabilidade para o fold dos jogadores ainda a agir. Se as chances são de que eles não irão dar fold, o range de mãos com que você abrirá o pote é pequeno. Se a probabilidade do fold for grande, então a gama de mãos com que você dará o raise é maior (o gap é maior). Neste caso, as cartas não importam.

Vamos olhar alguns exemplos onde o Conceito Gap é aplicado e ver se funciona:

Exemplo 1: Você tem A-J suited no botão em um torneio online no PokerStars ou no Full Tilt Poker. Um jogador extremamente tight que só aumentou três vezes até agora, e todas as vezes tinha um grande par ou um grande Ás, aumentou para 4x o big blind em posição inicial. Muitos jogadores dariam call aqui por causa da vantagem da posição. Se você for aplicar o conceito Gap, você deve dar fold por causa da provável força da mão de seu oponente. Eu não estou dizendo que você deve dar fold sempre com A-J suited nesta situação, mas é algo para considerar. O que você fará se o flop vier com o J como carta mais alta? A high? Ao pagar com mãos problemáticas como estas nestas situações, onde a probabilidade de estar sendo dominado pelo seu oponente é grande, você enfrentará decisões muito difíceis pós-flop e pode acabar perdendo uma grande quantidade de fichas. O Conceito Gap está tentando te ajudar a evitar estas decisões difíceis ao te dizer “dê fold aqui por favor”.

Exemplo 2: Mesma mão e mesma posição do Exemplo 1, mas desta vez o jogador que aumentou em posição inicial é um maníaco que aumentou 8 das últimas 12 mãos. Agora a força de uma mão como A-J suited é maior. Aplicando o Conceito Gap aqui você pode não apenas dar o call… mas você deveria até aplicar o re-raise, já que a probabilidade de ter a melhor mão aqui é muito grande.

Exemplo 3: Você é o primeiro a agir do cutoff. Os três jogadores à sua esquerda têm stacks medianos e ao que parece eles estão apenas tentando sobreviver para chegar ITM. Você olha suas cartas e vê 7-3 off. Você pode aplicar o gap aqui e aumentar, pois você sabe que tem grandes chances de ganhar a mão com o fold de seus oponentes. O gap é maior aqui por causa das tendências de seus oponentes.

Exemplo 4: Mesmo cenário do exemplo 3, exceto que desta vez o big blind tem um grande stack que já mostrou tendências para pagar raises em seu blind. Esta é a exceção explicada por Sklansky. Aqui você precisará de uma mão muito melhor para aumentar. Por causa do seu amigo loose, com um grande stack no big blind o gap é menor.

Exemplo 5: Mesmo cenário do Exemplo 3, exceto que desta vez o big blind tem apenas 2 big blinds restantes após postar o blind. Esta é a exceção explicada por Sklansky. Quando você tem um oponente tão short-stack que a probabilidade de ele dar call em desespero por puro odds é grande, então você deve ter uma mão melhor para aumentar. 7-3 off não é esta mão e você deve dar fold. O short-stack no big blind torna o gap menor.

A coisa mais importante para lembrar quando aplicar o Conceito Gap é que você deve conhecer as tendências de seus oponentes para aplicá-lo corretamente. Se você dá fold em A-J suited apenas porque o raise veio de um jogador em posição inicial, você está cometendo um erro. Se você aumenta sempre que é o primeiro a agir porque é isto que você deveria fazer supostamente segundo o Conceito Gap, então você não o entendeu. Na próxima seção, vamos fazer um exercício que irá forçá-lo a fazer isso para você ver o que funciona e o que não funciona.