Cookies on the PokerWorks Website

We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue without changing your settings, we'll assume that you are happy to receive all cookies on the PokerWorks website. However, if you would like to, you can change your cookie settings at any time.

Continue using cookies

Estratégia | Estratégia Avançada

Analisando duas grandes mãos da primeira semana na WSOP

Imprimir
Compartilhe

Existe uma razão para que o No Limit seja o jogo escolhido para os grandes eventos de poker. É o mais irresistível de se assistir. Porque? Existem muitos motivos, mas o maior deles é que qualquer jogador pode perder tudo em uma única mão. Esse fator coloca pressão nos jogadores o tempo todo. Torna o jogo um desafio psicológico e emocional, nas vitórias e derrotas. A seguir estão duas mãos de NLHE que aconteceram durante a WSOP. Vamos discutir os detalhes de cada mão e quem sabe aprender algo com elas.

Mão #1

Essa mão aconteceu quase no final do Dia 1 de um Evento de NLHE $1.500. Shane “Shaniac” Scheleger aumentou para 2.400. Gavin Griffin deu call no cutoff. O big blind, um jogador desconhecido deu all in de 7.875. Schleger pagou, assim como Griffin. O flop foi {10-Diamonds}{9-Clubs}{5-Hearts}. Schleger apostou 7.500 e Griffin deu call. O turn foi um {10-Clubs}. Schleger deu check e Griffin apostou 18.000. Schleger moveu all-in de 34.325. Griffin deu call.

Agora, antes de revelar o que tinham Schleger e Griffin, vamos olhar a mão separando cada rodada de aposta e tentar descobrir o que cada jogador estava pensando.

Pré-Flop: Schleger abriu como primeiro a agir. Ele poderia estar fazendo isso com quaisquer duas cartas devido à sua agressividade. Griffin somente pagou em posição. Como Schleger, ele poderia estar fazendo isso com qualquer mão, pois ele gosta de usar a posição para roubar potes pós flop. O big blind moveu all in, e isso muda um pouco a situação. Se eles tivessem um grande par, ou uma mão como A-K ou A-Q, eles provavelmente dariam um re-raise para se isolar com o short-stack. Como eles não fizeram isso, a gama de mãos se reduz provavelmente a um par baixo ou médio até cartas altas do mesmo naipe e conectadas, como J-10.

Flop: Schleger liderou as ações com uma aposta. Considerando que há um jogador em all-in, isso significa que Schleger provavelmente gostou do flop. Se eu estivesse jogando contra ele eu o colocaria em uma mão entre par de setes e de Valetes, com pares de Noves e Dez as menos prováveis, pois Schleger provavelmente teria dado check com um set contra Griffin. O call de Griffin significa uma dessas duas coisas. Ou ele está em um draw, ou ele tem um monstro nas mãos. A última é mais improvável, no entanto, como muitos jogadores agressivos ele iria dar re-raise em um jogador que tenha aumentado pré-flop que tenha continuado apostando no flop (especialmente em um bordo com alguns draws, como 10-9), pois essa ação toda geralmente irá terminar com todas as fichas no pote.

Turn: Schleger deu check. Isso pode significar uma de duas coisas. Ou ele está pronto para entregar o pote ou ele deu check para induzir uma aposta de Griffin. Griffin aposta. Também pode significar duas coisas. Ele pode ter a melhor mão e está fazendo uma aposta para agregar valor ao pote ou ele está blefando com a esperança de que Schleger de fold. Schleger então aplica o check/raise all in. Ele fez isso por acreditar que sua mão é melhor, e que Griffin está blefando. Ele não tem quase nenhum fold equity (Griffin teria que pagar 16k em um pote com 69k), então fica fácil acreditar que Schleger tem uma mão. O call de Griffin é automático com quase todas as mãos, exceto um blefe puro.

As mãos eram: Schleger com 8-8. Isso me surpreendeu pela falta de fold equity no turn, eu o coloquei em uma mão bem mais forte. A única explicação é que ele sentiu que Griffin estava blefando. Devido à ação pré e pós flop, há alguma lógica em sua jogada. Griffin, por outro lado, tinha Q-J de paus, e duas pontas para seqüência. Ele pagou em posição no flop e quando Schleger deu check no turn, ele tentou levar o side pot. Quando Schleger moveu all-in, o tamanho do pote dava a Griffin odds corretos para pagar.

Resultado: Um 8 veio no river e Griffin completou seu straight. Infelizmente para ele, também deu a Schleger um full house.

Mão #2

Essa mão aconteceu no final do Dia 2 do Evento de $2.000 NLHE. 24 jogadores estavam na disputa e todos ITM. Theo Tran abriu o pote no under the gun com um raise de 24.000 e Scott Montgomery deu call em midle position. O flop foi {5-Spades}{5-Hearts}{4-Spades}. Os dois jogadores deram check e o turn foi um {2-Spades}. Tran disparou 28k e após pensar por algum tempo, Montgomery pagou. O river foi um {3-Spades}. Tran liderou por 75.000 e Montgomery levou vários minutos antes de dizer “Estou o colocando em um straight flush, mas não posso dar fold”.

Montgomery deu call. As mão foram mostradas. Theo Tran realmente tinha um straight flush, com um par de Ases. O mais impressionante é que Montgomery tinha os outros dois cincos do baralho. Ele tinha flopado quadra de Cincos e perdeu para um runner runner straight flush. A chance de Montgomery perder a mão era de 0,2%. Como ele não perdeu tudo? A sua reação no river foi válida? Vamos ver essa mão pela perspectiva de Montgomery e tentar descobrir porque ele fez o que fez.

Pre-flop: Tran é um jogador hiper-agressivo que pode e irá dar raise com qualquer mão e em qualquer posição. Ver um flop com um par baixo contra esse tipo de jogador pode ter muito valor.

Flop: Ele flopou uma quadra e Tran deu check. Scott não queria assustá-lo do pote (embora obviamente Tran não saísse tão fácil do pote) então deu check também.

Turn: Theo dispara 28k. Isso poderia significar muitas coisas. Ele poderia estar tentando blefar ou poderia ter uma grande mão. Não há razão para dar raise contra um jogador agressivo como Theo. Você quer dar a ele uma nova chance de apostar no river.

River: O river coloca quatro cartas para um straight flush com o 2-3-4-5 de espadas. Apesar disso, e apesar de Montgomery ter pagado um raise pré-flop e uma aposta no turn, Tran apostou novamente, e uma grande aposta. A questão para Montgomery agora é se é possível que Tran tenha o Seis ou o Ás de espadas.

Claro que se o river fosse qualquer outra carta que não o Três de espadas, Montgomery teria uma decisão fácil aqui. Raise. Mas esse não é o caso, e Montgomery tem que decidir se Tran poderia ter uma dessas duas cartas. Tran daria raise com uma mão como par de Seis, ou 6-7 suited no under the gun? A resposta é sim. Ele aumentaria com uma mão com A-X, e esse Ás poderia ser o de espadas? Novamente a resposta é sim. Portanto, embora pareça que Montgomery tenha jogado o river de forma muito cautelosa, examinando ao fundo essa mão podemos ver que o simples call no river é uma jogada muito válida também.

Espero que tenham gostado dessa revisão sobre duas das mãos mais interessantes da primeira semana na WSOP.